Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies

LOLA

LOLA
Ficha técnica
Editorial:
ENTRELINHAS EDITORA
ISBN:
9788579920592
Idioma:
PORTUGUÉS
Formato:
EPUB
DRM:
Si
Tagus

4,49 €

Em narrativa envolvente, curiosa e cheia de surpresas, a autora Letícia Lobo conta a história de Lola, uma mulher pantaneira que não "ornava" com sociedade mato-grossense no início do século XX. Questionada se o que escreve é verdade ou criação literária, a autora Letícia Lobo diz o seguinte: "... tento alçar voo e pousar na história como passarinho, pra nem pesar, nem permanecer... contando esse viver de "Vó Gusta", tão atípico pra seu tempo, e totalmente fora de contexto de nossa Cuiabá, ou mesmo de Poconé. Prestando bem sentido e pondo de fato reparo, qualquer um sabe que essas cidades nunca serviram nem ornaram com seu feitio, seu figurino. Não nos importemos com a veracidade dos fatos... Verdade, ou mentira, tudo são apenas inventivas... Que podem servir para nos deslocarmos no tempo e no espaço, pois o livro foi estruturado como o balanço das redes cuiabanas... Num vai-e-vem, danado..." O linguajar cuiabano ? e expressões regionais de Poconé, município do pantanal mato-grossense ?, permeia todo o romance e nos oferece surpreendentes passagens e lembranças. Quando está escrevendo seus textos no computador, a autora conta, de forma bem humorada: "Não admito corrigir meu linguajar cuiabano. Minha vontade é extrair o tal corretor de textos à moda dentista. Com-puta-dor... Dá "réiva" no freguês! Tricotado no inglês, tem trama estrangeira... Traduz coisas sem sentido. Faltam verbos... Sabe cous'alguma de cuiabanês!" E sobre o seu jeito de escrever, Letícia acrescenta: "Pra não assombrar ninguém, rabisco em português simples. Limpo. Claro. Sem nenhum rigor literário. Escrevo pela possibilidade de alçar voos através dos rabiscos. Brinco com eles, e os acho a minha cara!!! São até um pouco dentuços. Às vezes, orelhudinhos! Cabulosos! Meus orgulhos! Deixarei "a quem interessar possa". Não sei a quem escrevo. Pra mim, têm serventia: uma ginástica cerebral. Continuo rabiscando... Registro. Invento. Brinco. Escrevo livros."